BNB conversa com Fraport e Cagece para ofertar crédito

Instituição financeira dispõe de linha específica para grandes obras, no total de R$ 11,4 bilhões

14 DE MAR  - NEGOCIOS - 08NE0307  -  NATINHO RODRIGUES

Representantes do Banco do Nordeste visitaram o escritório da Fraport, em São Paulo, para tratar sobre as obras planejadas pela alemã para o Aeroporto Internacional Pinto Martins, concedido à empresa estrangeira (Foto: Natinho Rodrigues )

por Levi de Freitas – Repórter

O Banco do Nordeste do Brasil (BNB), que já afirmou estar disposto a financiar grandes projetos estruturantes na região, tem buscado uma aproximação de duas obras significativas no Estado do Ceará. A instituição iniciou conversas com a alemã Fraport, que arrematou em leilão a concessão do Aeroporto Internacional Pinto Martins, e a Companhia de Água e Esgoto do Ceará (Cagece), que estuda a instalação de uma usina dessalinizadora de água do mar.

De acordo com o superintendente estadual do BNB no Ceará, Jorge Antonio Bagdêve de Oliveira, o banco visitou o escritório da Fraport, em São Paulo, para dar início às conversas envolvendo o financiamento das obras pensadas pela estrangeira para o terminal aeroviário.

“Já fizemos visita à Fraport, em São Paulo. Nos reunimos com eles, temos recurso para poder financiar as necessidades de crédito deles, no montante que eles entenderem necessário. Já conversamos sobre isso”, disse.

Em abril, o Banco do Nordeste lançou a linha de crédito FNE Infraestrutura, com um montante de R$ 11,4 bilhões exclusivos para grandes projetos estruturantes propostos por investidores privados. Na ocasião do lançamento do pacote, o presidente do BNB, Marcos Holanda, afirmou que o financiamento das obras do Aeroporto de Fortaleza é desejo da financeira.

“Eu coloquei para a equipe do Banco: eu não abro mão do Banco do Nordeste não estar participando do financiamento dos projetos dos aeroportos. Eu não vejo sentido que a gente não participe do financiamento dessas obras, que considero muito importantes”, disse Holanda, à época, no I Fórum de Infraestrutura.

Além da Fraport, o superintendente regional do BNB no Ceará disse também que a instituição buscou contato com a Cagece para financiar as obras da usina de dessalinização estudada pela Companhia para o Estado.

03 de Maio de 2017 - Porto do Pec  - NEGOCIOS - 08ne0555  -  MARCOS STUDART/ GOVERNO DO CEARA

03 de Maio de 2017 – Porto do Pec
– NEGOCIOS – 08ne0555 – O banco tem ainda buscado aproximação do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp) (Foto: Marco Studart)

“Estamos de olho em tudo que está acontecendo no Estado. Se existe um potencial de financiamento, nós estamos nos aproximando, oferecendo as linhas de crédito do banco. Conversamos com a Cagece, por conta da usina dessalinizadora, um investimento que ela está fazendo agora. Nos colocamos à disposição para discutir, no momento em que entender adequado, a forma de podermos financiar a atividade, esse equipamento ou toda a infraestrutura necessária para montá-lo”, adiantou.

Bagdêve informou que o BNB projetou dos recursos de R$ 11,4 bilhões do FNE Infraestrutura, para o Ceará, entre R$ 2 bilhões e R$ 2,1 bilhões para este ano. Os valores, contudo, não estão ainda limitados. “Esse recurso (R$ 11,4 bilhões) não tem carimbo. Pode ser investido num estado, por exemplo, que tenha maior dinâmica de empreendimentos. Estamos bastante de olho na infraestrutura”, revelou.

Incentivo

Outro segmento considerado relevante para o Banco do Nordeste no Estado do Ceará é o de geração de energia.

O banco tem ainda buscado aproximação do Complexo Industrial e Portuário do Pecém (Cipp), da Companhia Siderúrgica do Pecém (CSP) e da Zona de Processamento de Exportação do Ceará (ZPE Ceará), na tentativa de incentivar a instalação de mais empresas no Estado, em específico, nos equipamentos localizados no Pecém.

“No que diz respeito à energia, o banco hoje pode financiar qualquer tipo de geração. Podemos financiar geração de energia alternativa, como solar, eólica, pequena central hidrelétrica (PCH), termelétricas. Podemos financiar toda a parte de infraestrutura como concessões, rodoviárias, pontes. Temos um olhar especial para a ZPE, no Porto do Pecém, CSP. Estamos nos aproximando há bastante tempo no processo de instalação de empresas, atração de investimento para dentro do nosso Estado. Estamos atentos e nos oferecendo como alternativa financeira”, especificou ele.

Fonte diariodonordeste

Deixe um Comentário