Agência Intera

Publicado em 29/03/2013 às 19h29:

TREMOR DE TERRA - Região Norte registra abalos sísmicos

Em dez dias foram registrados cinco abalos na Região

Com ocorrências sistemáticas, a região possui sensores em Sobral, Santana do Acaraú, Canindé, Santa

Com ocorrências sistemáticas, a região possui sensores em Sobral, Santana do Acaraú, Canindé, Santa

Sobral. Os abalos sísmicos continuam acontecendo na Região Norte. Em dez dias, a Defesa Civil de Sobral registrou cinco abalos entre 1.7 e 2.9 graus na Escala Richter.

O último, de intensidade 2.6, foi sentido pelos moradores de Sobral na quarta-feira por volta do meio dia. Após análise dos pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), o tremor foi caracterizado como de média proporção.

De 2008 até o dia 27 de março deste ano, a Defesa Civil registrou mais de 3800 abalos na falha Riacho Fundo, que vem proporcionando abalos sísmicos na Zona Norte cearense. O tremor de maior intensificação aconteceu em maio de 2008, quando atingiu 4.2 graus.

De acordo com o chefe da Defesa Civil de Sobral, subtenente do Corpo de Bombeiros, Marcos Costa, os tremores sentidos pela população não causaram danos materiais, e o epicentro dos abalos de quarta-feira foi na Serra da Meruoca. Ele explicou que ainda não existe um prognóstico para prever a ocorrência dos tremores. "Eles podem ser seguidos, ou isolados, não tem como saber quando vai tremer", disse. Em 2008, o ano de pico dos tremores, foram registrados entre 50 e 60 abalos sísmicos diários de pequena magnitude.

Fatores

De acordo com o subtenente, diversos fatores influenciam na força do abalo. "A localização do epicentro, a profundidade do foco, a geologia da área afetada e a quantidade de construções no entorno são determinantes na intensidade de um tremor ou terremoto". Hoje, a região possui sensores em Sobral, Santana do Acaraú, Canindé, Santa Quitéria e na divisa do Ceará com o Piauí.

Os epicentros dos tremores se espalham pela região, sendo os principais em Granja, Irauçuba, Santana do Acaraú, Morrinhos e Serra do Jordão. Em Sobral, são sentidos principalmente os que ocorrem na serra. Segundo Marcos, isso ocorre porque as Serras do Jordão e Meruoca possuem mais placas rochosas, o que facilita a propagação da onda.

"Isso também explica porque dentro da cidade alguns locais sentem mais e outros menos. Bairros construídos em áreas mais arenosas, com mais areia, sentem menos do que quem mora em um bairro com o solo mais rochoso", salientou.

No caso de um tremor de maior magnitude, o subtenente alerta que a população deve procurar um lugar aberto ou pelo menos proteger a cabeça. Ele diz que, se estiver em casa, não corra para a rua, pois as saídas e as escadas poderão estar obstruídas. Nunca utilizar os elevadores e ter cuidado com a queda de objetos ou móveis. "O ideal é colocar-se no vão de uma porta ou embaixo de uma mesa ou mesmo cama. Mantenha-se afastado das janelas, espelhos e mantenha a calma", informou.

Já em áreas abertas, a pessoa deve evitar se aproximar de edifícios, linhas de transmissão, marquises, árvores, muros e monumentos. "Se for acampar, deve ser no local mais aberto possível, onde nada possa vir a cair e machucar". De acordo com a Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN), tremores de terra são normais na história do Brasil e acontecem em todas as regiões do País.

O Nordeste é uma das áreas mais ativas, principalmente os Estados do Ceará, Rio Grande do Norte e Pernambuco. O maior abalo da região aconteceu em 20 de novembro de 1980, no Ceará, no Município de Chorozinho e atingiu 5.2 graus na Escala Richter. A atividade sísmica na região de Sobral é a segunda em importância no Nordeste.

Mais informações:

Defesa Civil de Sobral

Seção de Bombeiro

Cidade de Sobral

Rua Geraldo Rangel, 500 - Betânia 

Telefone: (88) 3677-4663

Jéssyca Rodrigues
Colaboradora 

Fonte

Comentários do Facebook

Agência Intera