Policiais

CE – Batalhão do Meio Ambiente apreende 35 armas de fogo e mais de 400 munições

Equipes do BPMA apreenderam 35 armas de fogo em pouco mais de 10 dias no Interior do Ceará. Foto > SSPDS

Batalhão do Meio Ambiente apreende 35 armas de fogo e mais de 400 munições no Sertão Central

por Editor

A Polícia Militar do Ceará divulgou o resultado dos trabalhos ostensivos realizados desde o início deste mês pelo Batalhão de Polícia do Meio Ambiente (BPMA) nos municípios de Quixadá e Banabuiú, no Sertão Central, e ainda Itapiúna e Aratuba, no Maciço de Baturité. De acordo com a Polícia, foram apreendidas 35 armas de fogo, a maioria espingardas, e mais de 400 munições, de diversos calibres. Dez pessoas foram presas e mais de 100 pássaros silvestres foram apreendidos. A operação se encerrou no último sábado (12). O resultado foi divulgado na noite desta terça-feira (15).

Conforme o BPMA, na operação realizada com o objetivo de inibir crimes ambientais, foram efetuadas prisões e apreensões no Sítio Cipó de Cima, no distrito de São João dos Queiroz, onde foram encontradas duas espingardas e sete munições, e na Fazenda Casa Forte, um revólver calibre 32, uma espingarda calibre 28 e 36 munições. No Sítio Pedras Brancas, distrito de Barra do Sitiá, em Banabuiú, foram apreendidas duas espingardas, 31 munições e 15 pássaros silvestres.

Na região do Maciço de Baturité no distrito de Caio Prado, em Itapiúna, após fiscalização na margem da rodovia CE-060, foram ouvidos dois estampidos de armas de fogo, nas imediações do Rio Piranji. Ao chegar ao local, foram avistados dois homens atravessando o rio, tendo deixado duas armas de fogo e munições abandonadas. No distrito de Pai João, em Aratuba, os policiais encontraram dois homens, de 56 e 46 anos, com armas e animais silvestres. Com os suspeitos, foram apreendidas duas espingardas e 13 munições.

Apesar de a Polícia Militar efetuar as prisões e apreensões para evitar crimes ambientais, moradores das regiões rurais reclamam que apenas trabalhadores dessas localidades são detidos. Eles utilizam as espingardas para tentarem se defender dos criminosos já que os assaltos são muitos e raramente a Polícia realiza rondas nesses lugares. Sobre a caça, alguns alegam que realizam para saciar a fome das suas famílias.

Batalhão do Meio Ambiente apreende 35 armas de fogo e mais de 400 munições

por Editor

Equipes do BPMA apreenderam 35 armas de fogo em pouco mais de 10 dias no Interior do Ceará. Foto > SSPDS

A Polícia Militar do Ceará divulgou o resultado dos trabalhos ostensivos realizados desde o início deste mês pelo Batalhão de Polícia do Meio Ambiente (BPMA) nos municípios de Quixadá e Banabuiú, no Sertão Central, e ainda Itapiúna e Aratuba, no Maciço de Baturité. De acordo com a Polícia, foram apreendidas 35 armas de fogo, a maioria espingardas, e mais de 400 munições, de diversos calibres. Dez pessoas foram presas e mais de 100 pássaros silvestres foram apreendidos. A operação se encerrou no último sábado (12). O resultado foi divulgado na noite desta terça-feira (15).

Conforme o BPMA, na operação realizada com o objetivo de inibir crimes ambientais, foram efetuadas prisões e apreensões no Sítio Cipó de Cima, no distrito de São João dos Queiroz, onde foram encontradas duas espingardas e sete munições, e na Fazenda Casa Forte, um revólver calibre 32, uma espingarda calibre 28 e 36 munições. No Sítio Pedras Brancas, distrito de Barra do Sitiá, em Banabuiú, foram apreendidas duas espingardas, 31 munições e 15 pássaros silvestres.

Na região do Maciço de Baturité no distrito de Caio Prado, em Itapiúna, após fiscalização na margem da rodovia CE-060, foram ouvidos dois estampidos de armas de fogo, nas imediações do Rio Piranji. Ao chegar ao local, foram avistados dois homens atravessando o rio, tendo deixado duas armas de fogo e munições abandonadas. No distrito de Pai João, em Aratuba, os policiais encontraram dois homens, de 56 e 46 anos, com armas e animais silvestres. Com os suspeitos, foram apreendidas duas espingardas e 13 munições.

Apesar de a Polícia Militar efetuar as prisões e apreensões para evitar crimes ambientais, moradores das regiões rurais reclamam que apenas trabalhadores dessas localidades são detidos. Eles utilizam as espingardas para tentarem se defender dos criminosos já que os assaltos são muitos e raramente a Polícia realiza rondas nesses lugares. Sobre a caça, alguns alegam que realizam para saciar a fome das suas famílias.

Você pode gostar

Deixe seu comentário